terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

está morto, sossegado #1


Tudo está calmo agora, como se a tormenta tivesse passado e pudéssemos pousar em paz. A diferença é que sabemos _eu pelo menos sei, e sei só agora_ que pousamos sobre um amontoado de areia, que a qualquer momento será cataclismado e nos deixará _pelo menos alguma de nós_ mais uma vez sem chão.

Foram oito meses de tanta angústia que olhar para trás dá um pouco de vertigem. É estranho pensar que sobrevivi ou me perguntar como sobrevivemos, mas agora é só memória cristalizada. Um cristal tão frágil que qualquer menção ao toque o fará em incontáveis pedaços enquanto ainda houver tempo.


4 comentários:

  1. Não queria fazer um comentário muito catártico, mas as coisas que a gente conversa, que você escreve e que acabam se infiltrando na minha vida vindas disso têm todas esse efeito, sabe? É quase como uma purificação que acontece de tempos em tempos. Um sossego que me vem de tempos em tempos. E que também de tempos em tempos se vai porque é assim que as coisas devem ser.
    "Um cristal tão frágil que qualquer menção ao toque o fará em incontáveis pedaços enquanto ainda houver tempo."
    <3

    ResponderExcluir
  2. Quando vem, vem de tudo de uma vez. E depois fica bem de novo <3

    ResponderExcluir
  3. Essas tuas palavras, de certa forma, são meio que as minhas também para descrever esses ultimos tempos.

    ''Um cristal tão frágil que qualquer menção ao toque o fará em incontáveis pedaços enquanto ainda houver tempo'' Que frase!!!

    ps: te indiquei lá no blog pra fazer uma tag :)

    ResponderExcluir