quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

verde perto


Num desses bares da vida, encontrei Cayo e respondi à pergunta sobre como vai minha vida. Como comentário do interlocutor, ouvi um "você tem muita sorte!". Não discordei no ato, e passaram-se alguns dias até que eu pudesse concordar de fato: pouco tempo depois recebi o e-mail de que tinha sido selecionada pelo programa Composta São Paulo. Isso significa dizer que minha casa é uma das duas mil residências que receberam composteira recheada com minhocas californianas na cidade de São Paulo, em um incentivo ao plantio urbano e à redução de resíduos jogados no lixo. Todos os dias, aqui em casa, alimentamos os bichinhos com os restos de comidas cruas (vegetais, frutas, legumes). A umidade dentro da caixa é controlada com serragem e essa é a parte mais difícil do rolê, encontrar matéria orgânica seca. O melhor momento desse tempo em que as minhocas estão se reproduzindo no quintal foi a primeira vez em que tirei os litros de chorume do fundo da composteira. Para quem não sabe, o processo todo da compostagem leva à produção de biofertilizantes: o líquido e o sólido, que vão para outros vasos e dão alegria às plantas. Ainda não tirei o sólido da minha composteira, mas o líquido já vem nutrindo as plantinhas tudo na horta.






Esse post precisa ser dedicado ao Gui, que é o padrinho dos meus vegetais, fornecendo sementes, mudas e me ajudando a combater minha crassa ignorância botânica. Além disso, há um tempo, para combater as larvas esquisitas que andavam pela composteira, errei na aplicação do repelente de Neem (um concentrado que ajuda a combater espécies de insetos que possam infestar o microambiente criado ali) e pensei que tinha matado as minhocas. Sofri e me julguei uma péssima mãe de anelídeos. Gui logo se ofereceu a me ajudar com repovoar a composteira, mas todos respiramos aliviados quando as minhocas se mostraram grandes sobreviventes desse jogo chamado Bárbara-esqueceu-de-diluir-o-Neem-e-aplicar-apenas-nas-paredes-da-composteira. (Abaixo, nota-se a alegria da suculenta com as doses de biofertilizante produzido pelas minhocas)
 

5 comentários:

  1. que coisa genial :) plantinhas e minhoquinhas felizes. comigo acho que a única memória com minhoquinhas foi de quando as fiz de isca pra pescar, so sad.

    ResponderExcluir
  2. Em 2015 um dos meus projetos é um terrário. Sei que para isso preciso de canteiros em vez das dezenas de vasos. Vai dar trabalho, mas vou conseguir. Depois dividiremos minhocas e minhocos.

    ResponderExcluir
  3. Que coisa mais linda Babi. Mais um motivo para eu querer ser você quando crescer.

    ResponderExcluir
  4. Ai que fofo! Também ganhei uma, e já estou viciada em hortinhas. Agora qualquer copinho eu quero colocar cebolinhas e ver elas crescerem, ahahah
    O meu adubo eu tirei esses dias, descobri que tenho uma China de minhocas. É muita mesmo! :)

    ResponderExcluir
  5. fazem mais de 15 anos que eu não leio a palavra anelídios <3 E cara que incrívelllll esse projeto. Tô começando a encher a casa de plantas e isso é maravilhoso. Só coleta seletiva não é a solução dos nossos problemas <3

    ResponderExcluir