segunda-feira, 31 de março de 2014

pra não deixar de lembrar

Há tanto por dizer e tanto a fazer por uma democracia de verdade (ou ao menos para nos aproximarmos do que uma democracia deve parecer). Eu mesma já escrevi sobre isto uma ou duas vezes. Mas na noite em que o golpe civil-militar completa 50 anos no Brasil, decidi deixar uma canção de ninar, de Maria Elena Walsh, traduzida aqui. Porque não há que se deixar dormir um barulho desses.

En el Pais de No me Acuerdo by Maria Elena Walsh on Grooveshark
No país do nãomelembro
dou três passinhos e me perco.
Um passinho para lá,
não me lembro se o dei.
Um passinho para cá,
ai que medo que me dá!
No país do nãomelembro
dou três passinhos e me perco.
Um passinho para trás,
e não dou mais nenhum,
porque já me esqueci
de onde pus o outro pé.
No país do nãomelembro,
dou três passinhos e me perco.

Para ter acesso a parte de registros e histórias de desaparecidos e mortos no período entre 1964 e 1985, existe o site do Centro de Documentação Eremias Delizoicov e da Comissão de Familiares dos Mortos e Desaparecidos Políticos. Para ver como ainda não superamos certos problemas daquele período (e anteriores a ele, claro), basta uma olhada nas bancas de revista (mas quem lê tanta notícia?).

Um comentário:

  1. Só aqui mesmo para eu ler o post/artigo mais sensato a respeito desse "aniversário" Babi. Obrigada. E um beijo estalado. :*

    ResponderExcluir