domingo, 21 de julho de 2013

uma longa síntese


Meu último dia em Buenos Aires foi cheio de contradições e provas concretas de que a vida não faz o menor sentido. Chegamos ao aeroporto para fazer check-in e voltar para o Brasil e fomos avisadas pelo rapaz que empacota malas com aquele plástico tipo de cozinha que os vôos tinham sido cancelados. Eu disse "Mentira!" e ele, meio ofendido, respondeu que estava falando sério, apontando a tela com as informações de pousos e decolagens. Eu sabia que não era mentira no segundo seguinte que soltei a interjeição; eles não têm o hábito de tirar uma com a cara de desconhecidos. Sem ter ideia do que significava aquele monte de "cancelado", saímos à procura de explicações e ganhamos nossa credencial de boas-vindas à classe média que espera no aeroporto.

O resumo do rolê foi o seguinte: o sistema da Aerolíneas Argentinas caiu e nosso vôo, bem como todos os outros da companhia, foi cancelado. Como eu e a Dri tínhamos gastado a maior parte dos pesos que ainda possuíamos porque sabíamos que no Brasil eles seriam super desvalorizados, não sobrou muito para o transporte até o hotel. Criei coragenzinha, expliquei a situação para uma equipe de televisão que de lá noticiava "o caos aéreo argentino". Eles se juntaram e, como não poderiam nos deixar perto do hotel que a companhia nos tinha indicado, nos deram algum dinheiro. Com a má fama dos taxistas do aeroporto em mente, fomos procurar algum disposto a fechar o valor que podíamos pagar até o hotel, quando demos de cara com o senhor que nos tinha levado quatro horas antes para o aeroporto. Após poucos segundos, ele nos reconheceu e disse que até aquele endereço fazia por um valor, ao que eu pedi desconto e ele nos levou (enquanto ele punha nossa bagagem no porta-malas do carro, eu ria de pensar quão maluca era a situação). O hotel era cinco estrelas, e nos oferecia café-da-manhã e jantar, além de uma banheira no quarto. Ficamos um pouco aturdidas, porque depois de quatro meses viajando pelo país, pagando as tarifas mais baratas para hospedagem, sem garantia de que teríamos no café-da-manhã algo mais do que um pão com café-com-leite e duvidando em muitos momentos que encontraríamos chuveiro de água quente, havíamos chegado a uma outra dimensão de tempo, espaço e condições financeiras (estando, porém, quase sem poder aquisitivo).

Enquanto esperava a companhia aérea fornecer o voucher da nossa hospedagem, comecei a ler Conejo de viaje, do Liniers. O gosto pelo paradoxo explica que eu ficasse ali, lendo as narrativas de um cara que falava sobre suas próprias andanças. A graça desse livro, além de ser uma compilação de diários de viagens de uma pessoa muito bacana, é que o Liniers não se contenta em apenas falar sobre desenhos e em alguns momentos está em palestras dos mais diferentes assuntos, ou se arriscando em Portugal a contar sobre a História Argentina. Me dei conta de que meu intercâmbio me permitiu também ser multifacetada e frequentar lugares e discussões que em geral não apareciam na minha vida paulistana. 

Consciente de que a oportunidade de intercâmbio é um privilégio, resolvi separar links de coisas boas e importantes que conheci nesse período. Estão meio organizados por temas, já que estava difícil fazer uma separação tipológica (dramas da arquivologia refletidos no blog pessoal).

Indie Hoy: site de notícias e resenhas de música, literatura e cinema independente, escrito por pessoas de Argentina, México, Espanha e Chile;

Pollera Pantalon: banda que eu conheci em uma balada de Buenos Aires;

El método - Tango y Jazz: indicação da Nina quando eu apresentei a banda acima;

Corazón oxidado e Conozco un lugar: músicas de Fito & Fitipaldis que um colombiano tocava nos ônibus de Santa Fe para juntar uns dinheiros;

Estudio Coral Meridies: coral bom à beça de Santa Fe (possível ouvir na parte Multimedia -> Audio)

cinemargentino: site para ver filmes argentinos online (Ricardo Darín não incluído);

Cinépata: outro site para ver "filmes grátis, independentes e legais";

Cuadernos de cine, da Universidad Nacional del Litoral: pra quem curte discussões teóricas sobre cinema, com textos dos bambambans;

Anochecer: curta-metragem de Lucas MacDougall;

5 razones porque salir del closet con tu madre fue (mala) buena idea: curta-metragem de animação que trata com humor o fato de assumir a homossexualidade para a própria mãe;

Reporte sobre violencia hacia lesbianas en Latinoamerica y Caribe: produzido pelo coletivo Las Safinas, da cidade de Rosario, o documentário apresenta relatos de violência sofrida por lésbicas em diferentes países na América;

Condor: Documentário de Roberto Mader sobre a Operação Condor da qual faziam parte os países do Cone Sul com regimes militares na década de 1970;

A educação de Pinochet: Daniel Giovanaz fez intercâmbio no Chile no auge dos protestos por educação no país. Voltou e gravou esse documentário. A trilha sonora é dele e da Vivian;

El capellán: documentário produzido pela UNL sobre o padre Carlos María Aguirre que, enquanto toma seu mate, discute questões interessantes da política e da Igreja Católica (a parte 2 está aqui);

Série Presidentes de Latinoamérica com Cristina Kirchner, Lula, Rafael Correa, Hugo Chávez, Evo Morales, Fernando Lugo: produzidas pela Tv Pública Argentina, as entrevistas são muito boas e servem de matéria-prima para análises de discursos (muito válidas também porque em geral somos analfabetos políticos do nosso subcontinente);

24 de marzo: site do Ministério da Educação da Argentina sobre o Día Nacional de la Memoria por la Verdad y la Justicia. Bom material para incursões didáticas sobre o tema;

Mujeres al borde: site do coletivo feminista que produz material audiovisual em diferentes países americanos;

Poemas inéditos de Mario Benedetti: notícia sobre a descoberta de dois poemas do escritor uruguaio;

@carlosbusqued: perfil no twitter de um escritor contemporâneo argentino cheio de niilismo e sarcasmo;

Ivan Marino e Leonardo Solaas: sites de dois artistas argentinos que produzem obras digitais;

Projeto Couchsurfing: feito por Gabriele Galimberti, me chamou a atenção porque pela primeira vez dormi na casa de uma desconhecida a partir de contato pelo Couchsurfing; e dá uma boa sensação de que as pessoas são incríveis e que vale a pena conhecê-las;

No-Retornable: revista literária virtual produzida na Argentina;

Un monton de osos: pra se morrer de fofura, uma galeria de ursos desenhados por muitos artistas com diferentes técnicas;

Lessons from a dog: seis motivos pelos quais eu senti muita falta dos meus cães;

Hellos: só um post com uma foto bonita e uma citação precisa, pra terminar.

3 comentários:

  1. Dicas preciosas. Já estou explorando algumas.
    Obrigada

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, hoje mesmo tava pensando que tinha que procurar alguma revista literária ou algo do tipo em espanhol para descobrir os lançamentos recentes na língua quando abro meu feedly e vejo teu post com essa lista maraaaa!!! haha Adorei, vou certamente explorar vários desse sites! :)

    ResponderExcluir