segunda-feira, 6 de agosto de 2012

quatro vezes cinema argentino

Tem esse anúncio sobre cinema argentino que compara as vitórias futebolísticas às de sua produção cinematográfica. Poderiam ter aliviado pro lado deles e ter citado que é argentino o melhor jogador do mundo, mas estragaria o efeito dramático da cena. O negócio é que sou entusiasta do cinema argentino e percebi que, por coincidência, em julho, assisti a quatro produções feitas pelo país.


1. Medianeras: não quero exagerar nos superlativos, mas Medianeras é tipo um dos melhores filmes que já vi. Eu reconheci muitas das situações pelas quais passam os personagens na tumultuada cidade de Buenos Aires como se fossem minhas e passadas em São Paulo. A claustrofobia que uma cidade grande, com crescimento desordenado, nos causa, esse monte de gente desconhecida que nos cerca, essa solidão do concreto e da internet!

2. El trazo simples das cosas: Liniers deu uma passada em São Paulo, autografou meu Macanudo #6, disse que eu vim do futuro (porque o evento era, na real, o lançamento do Macanudo #5 em português) e eu aproveitei para ver a exibição do documentário sobre ele. O filme foi dirigido por uma documentarista que dividiu apartamento com Liniers no intercâmbio que ambos fizeram para o Canadá. Algumas de suas tiras aparecem animadas no filme que está disponível no youtube.



Quando fui a Buenos Aires, ficava olhando pelas ruas para ver se o encontrava. Mas me dei conta a certa altura que nunca tinha visto foto dele, só suas tiras autobiográficas em que se desenha como um coelho. Infelizmente, em Buenos Aires, não vi nenhum coelho andando nas ruas.

3. Un mundo misterioso: Vivian, Caio e eu assistimos a esse filme no Festival de Cinema Latinoamericano. É sempre uma emoção ir a esses festivais porque em geral escolhemos filmes pela conjunção horário-lugar (ponto a ser desenvolvido no próximo filme). Sabíamos apenas que a história se desenrolava a partir do momento em que a namorada pedia um tempo no relacionamento. A partir daí, a narrativa acompanha Boris em diferentes situações. O filme cumpre com eficiência o papel de mostrar o tédio da vida do protagonista. Há cenas muito longas e às vezes cansativas, mas justamente por parecer esse o propósito, não são despropositadas.

4. El páramo: também na programação do Festival, "O ermo" (título em português) é uma produção conjunta Argentina-Colômbia. Antes do filme começar, o diretor foi chamado para dizer algumas palavras e me deixou em pânico em sua primeira frase que dizia algo como "Esse é um filme de horror, não exatamente um filme de terror", ao que eu me encolhi meio incomodada por nunca verificarmos bem as sinopses dos filmes de festivais. É que eu não curto sair de casa pra levar susto. Não curto nem tomar susto em casa, crio todo um nervosismo só de saber que em algum momento haverá a possibilidade de me assustar com o filme. Apesar de não gostar do pressuposto do filme (o de ser um thriller), o argumento é sensacional. Com menção à guerrilha, o filme propõe um questionamento sobre a atuação militar. A única personagem que não é do exército é uma mulher sobre a qual não se sabe nada (aparentando estar em estado de choque, ela apenas grita). É a presença dessa estranha que desencadeia tumultos na ordem interna do agrupamento.

7 comentários:

  1. Desses citados, o único que assisti foi Medianeras, que se tornou um dos meus favoritos!

    Queria ter visto o documentário do Liniers aquele dia do autógrafo, mas bem, o filme eu posso ver depois, e o autógrafo não, né. Hahaha
    Quando estive em Buenos Aires também fiquei procurando por ele nas ruas, mas a única coisa que encontrei foram ônibus com nome Liniers (é um bairro?).

    Vou procurar baixar esses que faltam. Apaixonei-me pela Argentina que você não faz ideia. Queria poder visitá-la todo ano, mas né... :~

    :*

    ResponderExcluir
  2. também adoro o cinema argentino, mas confesso que faz tempo que não assisto nenhuma produção de lá.
    tu deve conhecer o gaspar noé, certo? putz, cara louco demais <3
    adorei aqui! =3
    bisou

    http://jemappellepriscilla.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  3. Poxa, acredita que nã assisti nenhum? Mas fiquei curiosa com o Medianeras e o El páramo. Parecem ser lindos :)
    Valeu a dica, guria!

    ResponderExcluir
  4. o melhor é a camiseta que vc está usando
    hehehehe

    ResponderExcluir
  5. Legal, não assisti nenhum desses mas agora que tem indicação fica mais fácil de ver, até porque nunca tinha nem ouvido falar deles ;(

    beijos

    ResponderExcluir
  6. O cinema argentino é muito bom mesmo, não sou assim tão fanática pela Argentina como você, mas tudo que eu vejo de lá acaba me encantando de algum jeito. Eu conheço as tirinhas do Liniers, adoro o seu traço, e realmente você veio do futuro hehehehehhehehehe E esse lance de festival é bizarro, tipo, você nunca ouviu falar do filme, escolhe ele por conta do horário mesmo ou por conta do poster bacanudo, às vezes é uma boa surpresa e o filme acaba ganhando até vários prêmios por aí, mas tem outras vezes que seu único desejo é sair da sala o mais rápido possível hehehhehe

    ResponderExcluir
  7. Também sou fã do cinema argentino! Medianeras é uma delícia mesmo. E preciso ver esse documentário sobre o Liniers. Também tenho um Macanudo autografado por ele (com direito a Fellini e tudo), sou apaixonada... Aliás, vi um filme argentino ótimo essa semana, Abutres (Carancho, no orginal), já viu?

    ResponderExcluir