sábado, 9 de julho de 2011

frankly, my dear, i don't give a damn


sakura'n sunset


Estou me livrando de um rolo compressor chamado "Primeiro semestre letivo de 2011". Se alguém tiver interesse em adquiri-lo, basta entrar em contato comigo. O final do semestre foi infernal com um acúmulo medonho de coisas para fazer e entregar. Além do sumiço de colegas na véspera da entrega de trabalhos, o que me deixa desesperada e acumulando funções que não deveriam ser minhas (ah! estou me livrando também da minha cara de tonta, se alguém estiver interessado). Tinha conversado comigo mesma sobre não fazer cinco matérias no mesmo semestre novamente, mas a faculdade resolveu abrir umas matérias meio imperdíveis, não resisti, me matriculei em cinco de novo. Daqui a seis meses eu ponho à disposição outro rolo compressor.



Meu período de férias acabou! (O nome dessas férias é desemprego, mas vamos fingir que era minha intenção que o meu contrato fosse gerado com nome errado, não tivesse sido criado número de protocolo e eu tivesse que esperar cinco meses pra assinar o dito cujo). Agora meus instrumentos de trabalho são luvas e máscaras descartáveis e mexo em vestígios humanos. Antes que pensem que migrei das Humanidades pras Biológicas, digo que estou trabalhando num arquivo. Se eu dissesse simplesmente que minha função é ler e catalogar documentos mais velhos do que eu talvez não soasse tão empolgante; mas, acreditem!, é um trabalho encantador. Mexo nos documentos de um homem que foi crítico e colecionador de arte, psicanalista e poeta. É gostoso como todo dia aprendo algo novo com o que ele escreveu. Dá a impressão de que estamos em um diálogo e, ao mesmo tempo, que estamos tão solitários! Ele vivia sozinho e eu sou a única que atualmente se envereda na sua documentação. Há fundos dentro do arquivo que contam com uma equipe para catalogação, e essas pessoas discutem poemas que fulano escreveu para a avó aos 6 anos de idade. Eu estou sempre só, tentando entender o que queria aquele homem dizer nos seus escritos. E é engraçado, também, porque, se discordo dele, não consigo argumentar com um papel. E mais engraçado ainda é que sou paga pra fazer com as coisas dos outros o que nunca sei fazer com as minhas: organizar. Com peso na consciência por causa dessa constatação, ontem arrumei meu quarto.
Agora que trabalho em arquivo e estudo história, tô chorando lágrimas de sangue pela manutenção do sigilo dos arquivos da ditadura.





Daí que além do meu estágio maneiro que me ajudou a suportar a insanidade das últimas semanas, Caio me deu Retalhos do Craig Thompson de presente. Devorei o livro em duas noites. Não lia literatura desde a volta de Montevidéu para Buenos Aires, quando terminei de ler O pão do corvo, do Nuno Ramos, no barco. Retalhos é uma graphic novel (digamos história em quadrinhos extensa) linda-linda. Escrito em primeira pessoa, é cheio de conflitos do autor. O casamento de texto e ilustrações é perfeito, e as transformações dos desenhos são muito bem sincronizadas com as idéias do discurso. A história de um jovem de 17 anos que se apaixona pela primeira vez é tratada com a devida seriedade que o assunto exige, assim como o drama de se escolher a carreira com essa idade. Um trecho que diz muito sobre mim é o seguinte (com total empobrecimento sem as imagens):

"Phil achava que era uma competição ENTRE nós. Desse ponto de vista, eu quase sempre ganhava... mas eu sabia que não estava competindo com ele, e sim contra mim mesmo... contra minha própria humanidade imperfeita que havia perdido a sintonia com a Terra. Desse ponto de vista, eu sempre perdia."





Por fim, ontem, depois de arrumar meu quarto, cozinhar meu próprio almoço, estudar sociologia, me dei de presente quatro horas com Katie Scarlett O'Hara, a personagem mais dissimulada que o cinema já inventou. Tão dissimulada que quando ela tenta demonstrar seus sinceros sentimentos, sai dando patata em todos à sua volta. Uma belezinha. Desconfio, porém, que ela não se importe tanto assim com isso. Afinal,

Amanhã é um outro dia.

8 comentários:

  1. Desconfio que meu próximo semestre também será um rolo compressor, e aí poderemos nos livrar deles juntas!

    Mas pelo menos uma matéria vai ser mega incrível, hein!

    Tô ansiosa pra rever ...E o vento levou. Lembro da primeira vez que vi, na casa da minha vó, numa tarde letárgica de férias. Bons tempos?

    Beijos, beijos!

    ResponderExcluir
  2. Deve ser interessante trabalhar em arquivo, parece coisa de filme nunca tinha passado pela minha cabeça que esse emprego realmente existe. Descobrir escritas tão antigas e tão atuais ao mesmo tempo.

    Vi esse Retalhos na livraria esses dias, achei bacana, talvez volte lá e compre.

    Beijo

    ResponderExcluir
  3. gostei. (:
    gosto de retalhos e de arquivos. mas ainda não decidi se gosto de história, esse curso smells like solidão.

    ResponderExcluir
  4. e como não dizer que amei as fotos?

    ResponderExcluir
  5. Ai, como eu me lembro desses semestres massacrantes da época de faculdade. Não sinto saudade (OK, talvez só um pouquinho, rs...).

    Já fiz pesquisa em Arquivo Público e me lembro de ficar com vontade de chorar quando via o estado que os documentos chegavam: rasgados, rabiscados à caneta (pelos próprios funcionários do Arquivo), alguns quase completamente destruídos. Uma lástima! Me deixa feliz o fato de existirem pessoas como você, que levam catalogação à sério!

    Scarlett é "bonitinha mas ordinária", né? Uma delícia de assistir!


    Camila Faria

    ResponderExcluir
  6. Fim de semestre é fogo! Tô tão feliz que acabei a facul:) Mas já não vejo a hora de fazer um mestrado #comofaz?
    hehe

    beijos

    ResponderExcluir
  7. Gosto tanto dos seus posts que não sei às vezes o que comentar primeiro, ou o que comentar AT ALL.

    Quem eu tenho que matar pra ter seu emprego? Quero muito! Sou apaixonaaada por isso, cheguei a tentar o vestibular de História na FUVEST, mas né. Fuén. Faltaram três pontos pra conseguir a segunda fase. T.R.Ê.S. Minha vida é uma barato mesmo.

    Confesso que fiquei mais curiosa com o O pão do corvo do que com o Retalhos, mas no fim, eu sei, os dois vão pra minha lista de espera :P sou muito curiosa quanto a livros (o que quer dizer que nem todos são lidos até o fim).

    ResponderExcluir
  8. Meu deus, essa postagem é uma compilação de coisas que adoro. Começando pelo título. A-do-ro essa frase. Filosofia de vida.

    Depois: alívio pós-final de semestre. Não quero nem pensar no próximo. Estou pegando mais matérias do que devia, mas vamos lá.

    E Retalhos. Olha, não é minha graphic novel favorita, mas acho lindo. O desenho é muito, muito bonito.

    E Gone With the Wind é bom mesmo? Tenho que assistir. Vi quando era bem pequeno, então não lembro de nada.

    Beijo, Babi (:

    ResponderExcluir