domingo, 19 de setembro de 2010

now then, Pooh, time for a little something

(título tirado do capítulo seis do Winnie-the-Pooh)



When we asked Pooh what the opposite of an Introduction was, he said "The what of a what?" which didn't help us as much as we had hoped, but luckily Owl kept his head and told us that the Opposite of an Introduction, my dear Pooh, was a Contradiction; and, as he is very good at long words, I am sure that that's what it is.




Semana passada terminei de ler a coleção de livros do Ursinho Pooh. Vocês podem interpretar como quiserem o fato de eu ter lido, com bastante afinco, livros indicados para crianças de oito anos. A coleção é composta por quatro livros: When we were very young, Now we're six, Winnie-the-Pooh e The house at Pooh Corner. Escritos por A. A. Milne, os dois primeiros são livros de poemas sobre o Christopher Robin e os outros dois são livros de prosa que contam a história dos animais da Floresta dos Cem Acres (Hundred Acre Wood). Os quatro livros foram escritos entre 1924 e 1928.



Quando eu era criança, acordava cedo para assistir a alguns desenhos na televisão. Entre eles, as histórias do Ursinho Pooh, que apesar de não se meu desenho favorito, bastante me agradava. Descobri lendo os livros que a composição que a Disney fez dos personagens é bastante fiel ao texto original, à construção que A. A. Milne faz daqueles brinquedos (o que me surpreendeu, já que acho uma pobreza a interpretação que fizeram da obra do Lewis Caroll, tanto com o Alice no país das Maravilhas em desenho, quanto o mais recente - e mais decepcionante - em forma de delírio muito racional do Tim Burton).



Quem já viu o desenho Classic Pooh da Disney em cadernos, fichários, etc. talvez não saiba que foi baseado nos desenhos dos livros originais. As ilustrações são de E. H. Shepard, que são umas delícias à parte. Quando peguei os livros emprestados com o William, que trabalhava comigo, disse-lhe que era um perigo muito grande ele os deixar comigo, porque aquela edição da década de 70, já amarelada, era linda e de tão linda até dava vontade de comer (claro que isso é um devaneio e tanto, mas vocês não têm vontade de comer livros muito bonitos?)



O gostoso do texto do A. A. Milne é que nenhum dos livros é moralista, ainda que tenham sido escritos para crianças no começo do século XX. Haja visto o post sobre "O Tico-Tico", naquela época, ao menos no Brasil, os textos para crianças tinham propósitos claros de educar em um didatismo exagerado. Winnie-the-Pooh não pretende isso, tem diversas brincadeiras com o vocabulário, e os personagens não são estereótipo de bondade e amizade o tempo todo.
Acabando o último livro, The house at Pooh Corner, me dei conta de como é uma obra que trata, sobretudo, do carinho de um menino por seus brinquedos mais queridos. Christopher Robin precisa crescer, mas reconhece a importância que Pooh, Piglet, Tigger, Rabbit, Eeyore, Owl, Kanga and Roo tiveram na sua vida. Algo muito parecido com um filme que vi nas férias...

9 comentários:

  1. Quando você me falou desse livro eu fiquei muito encantada!
    Já achava as ilustrações do Classic Pooh, que compro sempre haha, lindas, e não sabia da onde vinham.
    Acho que você poderia ter esquecido de entregar pro seu amigo que foi trabalhar na Folha, e me emprestar depois hahaha.

    Bisous Chérie!

    ResponderExcluir
  2. Tem livros que são tão encantadoramente belos que querer devorá-los, quase que literalmente, é algo que me acontece de vez em quando. Ainda bem que ainda deposito os pés no chão...
    De qualquer forma, eu acompanhei sua saga com esses livrinhos desde o começo, e acho que são daquelas de história que os detalhes são tão importantes e a preciosidade de toda a obra é tão profunda, que você simplesmente guarda num cantinho especial da mente. Pra lembrar sempre e sempre.
    E todas às vezes que olho para a Bonnie, uma mini Babi se faz presente em minha cabeça :)
    Beijos Babileta!

    ResponderExcluir
  3. hahaha tbm tenho vontade de comer livros. nas lojas de livro fico que nem criancinha na doceria. nunca li nada do ursinho pooh, mas sempre achei fofo. pra variar, lindas fotos, menina!

    beijão.

    ResponderExcluir
  4. Nossa, que máximo seu blog. Juro, estou até sem palavras.
    Uma pena que não achei o aplicativo para seguir seu blog. Como eu faço?
    abraço.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Babi!
    Seu blog é tão fofo! Você escreve tão bem!
    Adorei!

    ResponderExcluir
  6. que delícia de post, e que delícia deve ter sido esses seus momentos de leitura. as vezes é importante fantasiar em um universo mais infantil...

    ResponderExcluir