sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

get a way while getting away

nós três

Tudo começou há mais de um mês, quando eu estava vendo o site do hihostels e pensando em viagens possíveis. A mais acessível e interessante pareceu-me Curitiba, fiz alguns cálculos e mandei pro Caio. As coisas estavam muito longe de tomar forma naquele momento, mas continuamos com as ideias e os projetos. Chamei alguns poucos amigos. Viajar com muita gente costuma ser um problema, sobretudo num mochilão como esse em que o plano é andar-andar-andar. O Gui, que sonha em ir para o Peru e para a Bolívia num mochilão - e me passa por osmose essa vontade -, topou de imediato e fomos comprar as passagens pouco antes do Natal.

As passagens de ida estavam marcadas para 22 de janeiro e as de volta para dia 25 de janeiro e os trajetos dos ônibus de viagem foram feitos à noite, para que não perdêssemos tempo de passeios e nos parques infinitos de Curitiba. Preferimos não ir para lá nem no Natal nem no Ano-novo, mas deixar para o feriado municipal do aniversário de São Paulo porque as estradas estariam menos cheias.

Mercado Municipal

A ida foi um pouco caótica, com dois grandes congestionamentos (é o que o Caio diz, eu dormi tanto quanto foi possível). Chegamos com duas horas de atraso à rodoviária curitibana, andamos pelo Mercado Municipal e tentamos fazer check-in no albergue. Não conseguimos, teríamos que esperar entre meio-dia e 13h. Sugeri que fôssemos ao Jardim Botânico e minha sugestão foi imediatamente aceita. Poucos minutos depois, estávamos num daqueles pontos de ônibus em forma de túnel na frente da antiga estação ferroviária. O Jardim Botânico é mais bonito do que o que vemos nas vinhetas de fim de ano na televisão, é grande, com aquela estufa linda, linda. A bateria da minha câmera resolveu acabar e eu tinha deixado as outras pilhas no albergue. Frustrei-me, mas esforcei-me até a câmera funcionar mais um pouco. Consegui fotos que me satisfizeram.

Jardim Botânico

Ainda no Jardim Botânico, passeamos pelo Jardim das Sensações, que é um espaço pensado para pessoas com deficiência visual e que podem sentir a forma, a textura e o odor de diversas plantas. Eu e o Caio contávamos com um especialista: O Gui sabia muito sobre a maior parte delas e nos alertava para as que poderiam gerar uma reação alérgica se tocássemos.

Sodas italianas

Voltamos a pé para o albergue, sob uma chuva fraca. Paramos num mercado para garantir nosso jantar: pitsa no pão sírio. Fizemos o dito check-in, arrumamos as comidas na geladeira do albergue e fomos - a pé - para o MON (Museu Oscar Niemeyer). Tomamos sodas italianas (maracujá, morango e maçã verde), compramos nossos ingressos e fomos para o interior do museu. Há muitas salas, e, pelo que me lembro, eram oito as exposições em cartaz. Só aproveitamos realmente um, a do Vik Muniz. Essa exposição esteve por muito tempo em cartaz no MASP mas eu não tive tempo de vê-la e acabou sem que eu tivesse arranjado uma brecha nos meus horários. Encontrei-a em Curitiba e pensei que valeu a pena.

todas as exposições do mundo!

Andamos pelo museu, pela passagem subterrânea, por suas amplas galerias até nossas pernas pedirem clemência. Fomos para o ponto do ônibus, esperamo-no por algum tempo e descemos numa praça no centro. Dali, voltamos para o albergue, tomamos banho, conversamos, fizemos o jantar. Sairíamos, não fossem as pernas bambas e o cansaço de tantas horas dentro de um ônibus e todo o dia caminhando pela cidade.

Entramos numa sala do albergue e ficamos os três conversando por horas. Mesmo. Quando fui dormir, uma das colegas de quarto já estava deitada e as outras tinham saído.

Esse foi o primeiro dia. Continuo aos poucos e coloco as fotos - também aos poucos - no flickr.

3 comentários:

  1. Será que os jovens aventureiros entrarão na onda dos 34757 entusiastas da Linha Turismo? Descubra nos próximos capítulos!

    ResponderExcluir
  2. Ah, deve ter sido uma ótima experiência! Eu pude ver a exposição de Vik Muniz no Masp e achei incrível! Pena que onde eu moro não tem muitas exposições do tipo.

    ResponderExcluir
  3. Fiquei com vontade de ir a Ctba. também.

    ResponderExcluir